quinta-feira, 22 de maio de 2008

O Famigerado Comunista

O FAMIGERADO COMUNISTA, por Leila Jinkings


Éramos cinco, todos menores de dez anos, em 1964. Na rua onde morávamos, tinha de tudo: comunistas, fascistas, contrabandistas e sabe-se lá mais o quê. Na esquina, os filhos de um juiz xingavam quando passávamos: “Ei, filhos de comunista!”. A princípio nem sabíamos de que nos xingavam, mas logo fomos a meus pais saber o que era comunista.

Meus pais explicaram, mostraram reportagens com fotografias e entendemos que Comunistas lutavam ao lado do povo, era bom ser comunista. E ficamos muito orgulhosos de sermos filhos de comunista. Papai, sempre brincalhão, sugeriu que poderíamos responder a eles dizendo que eram filhos de fascista.

À tarde saímos para a rua armados, prontos para o embate. Todas as tardes passeávamos de bicicleta ou íamos para a praça, sempre passando pelo território inimigo.

- Ei, filhos de comunista!

- Tu é que és filho de fascista! Filho de fasciiistaaaa!


Veio o golpe militar e papai “viajou”. Nossa rotina não mudou: escola pela manhã, trabalho escolar até 4 da tarde e depois rua e, claro, a guerra com os reacionários (essa palavra também aprendemos com papai e mamãe).

Havia na rua um colega nosso que brincava de bicicleta e “pega ladrão”, cujo pai era reacionário e o tio, um bêbado. Ele, nesse dia, chegou excitado e foi logo se dirigindo a nós. Estávamos os quatro irmãos mais velhos e dois primos de nossa idade - Huáscar e Bolívar. Falou: “O pai de vocês, ó: (fez um quadrado com os dedos da mão, significando xadrez, cadeia) tá preso. Pegaram ele lá no Rio de Janeiro.”

Corremos para casa a perguntar a mamãe se era verdade o que havíamos escutado. Mamãe explicou que não era verdade. Aquilo eram apenas boatos que os milicos inventavam para fazer terrorismo com os familiares dos comunistas.

Mas, no dia seguinte, o mesmo colega, apesar de ter “pegado uma carreira” dos meus primos, veio com nova história: “Olha, o pai de vocês foi assassinado, ele fugiu e levou bala lá na Cinelândia. Tava vestido de estudante.”

Fomos chorando para casa e mamãe tentou nos tranqüilizar. Nas rádios e na televisão, no entanto, os repórteres davam a notícia e alguns se referiam a ele como o “famigerado comunista Raimundo Jinkings”. Ela falou que ia telefonar para meu pai e que ele falaria conosco. Mais tarde ela nos avisou que papai viria nos visitar, mas em segredo, pois os milicos queriam prendê-lo porque lutava para que os pobres tivessem os mesmos direitos que nós.

À noite, mamãe nos chamou para o quarto que ficava nos altos e dava para o quintal. Foi muito emocionante encontrar o papai, que nos aguardava. O quarto estava na penumbra, não se podia acender a luz. Talvez houvesse um abajur ou uma vela, pois podíamos enxergar muito bem o papai. E, mais importante, senti-lo. Ele nos abraçou muito, apresentou o camarada que o acompanhava e falou que estava tudo bem, mas que ele estava escondido para que os milicos não o pegassem, porque ele era amigo do Jango e dos comunistas.

Ele estava vestindo um macacão de operário, tinha os cabelos crescidos e estava barbado. Carinhosamente, nos tirou as dúvidas e fez as recomendações que qualquer pai faz, do tipo “sejam obedientes”, “ajudem sua mãe”, além das que só um pai como ele faria: falou que não precisava explicar nada para ninguém e nem deveríamos contar que ele nos visitara, para que não pressionassem a mamãe. E que o importante era que estaria sempre em contato conosco por meio da mamãe.

Jamais esqueci esse momento. Me senti companheira e amiga do meu pai. Muito orgulhosa dele, da sua coragem e da sua generosidade.


8 comentários:

Bel disse...

Lindo!

Maeve disse...

Puxa, mamae... To aqui chorando emocionada com seu depoimento de infancia... Nao eh um choro triste... Eh uma mistura de orgulho de ser descendente desse homem, de indignaçao pelas injustiças que uma familia pode sofrer simplesmente por ser o que eh. Indignaçao por ter que admitir que a especie humana pode ter uma natureza tao perversa, prepotente... autocentrada. Ignorancia de si mesmo...

Lamento ter conhecido meu avo bem menos do que eu gostaria... mas de alguma forma, nos gestos mais sutis, na sua timidez que deixava escapar opinioes nas formas mais serias e as mais debochadas. Mas tudo isso era ele, e sem que eu me desse conta, ele me inspirava.
Talvez apenas por ter criado uma familia que me gerou, esteja em cada um desses descendentes. Gens e valores.

Talvez eu seja romantica e idealista como ele. Capaz de fazer escolhas muito drasticas para ser leal ao que acredito. Foi o que ele fez.
A diferença entre nos foi o "como" escolhemos lutar... Mas eu escolhi lutar, e eh importante demais pra mim ser leal a essas escolhas.

Lindo seu depoimento. Eh maravilhoso, aos 31 anos, ainda poder descobrir historias desconhecidas sobre parentes tao intimamente proximos. Me deu vontade de saber muitas outras lembranças da filha desse famigerado comunista...

Beijo terno e emocionado.
Maevinha

Pedro Ayres disse...

Leila
Ainda estou sob o forte impacto emotivo da leitura do post. Revivi velhas dores,em compensação também recordei a força de velhas amizades e da solidariedade de leiais companheiros. Uma lealdade que não se expressava apenas para com a sua família, amigos ou companheiros de militância, mas, àquela lealdade que faz existir a diferença entre o Homem que honra e luta por seu semelhante, e aquele que vê o mundo a partir do próprio umbigo. O Raimundo foi um Homem e é o que teu relato nos mostra com beleza e emoção.
Grato e um forte abraço de um
outro famigerado comunista

Roselena disse...

Tive o privilegio de conhecer Raimundo Jinkings; guardo bons souvenirs de sua luta!
Lembro do Partido...
Que bela passagem a dele aqui na terra...
Linda e merecida homenagem, Leila!
Mesmo nao sendo eu "comunista" rs
Comungamos da mesma luta;
Um mundo melhor,
Mais igual,
Mais bonito; onde as pessoas possam ter as mesmas chances, oportunidades com senso de justiça.
Isso, justiça!
Obrigada pelo texto justo!
Meu abraço sem perder o laço!

Roselena Peres - França

Maria Lucia disse...

Por artes das surpresas da vida cheguei ao blog de Raimundo Jinkings, cheguei a esse terno e belíssimo relato de pedaços da vida do Famigerado Comunista e de sua família.
Cresci e me enterneci.
Fico-lhe muito grata por compartilhar tanta integridade e a beleza de vida que foi a de seu pai.
Maria Lucia

M Cavalcante disse...

Leila, só agora pude conhecer este blog.
Tive a oportunidade de conviver com o Jinkings. Ele foi uma das pessoas mais autênricas e corajosas que este Estado já pariu.
Lembro-me de quando a ditadura, já em seus estertores finais, mandou metralhar as bancas de revistas e a Livraria Jinkings, refúgio dos comunistas. Durante muitas campanhas eleitorais estávamos sentados lado a lado. Cada um defendendo sua sigla mas, sobretudo, lutando para apresentar o melhor ao povo do Pará.
Quando Jinkings se foi, tive uma sensação de perda muito grande porque, como ele, existiram e existem muito poucos.
Gostaria de entrar em contato com vc pois me interesso pelo do "Partidão".

Zé Carlos Gondim disse...

José Carlos disse...

Leila, me deixaste emocionado com esse post sobre o famigerado comunista, meu amigo Jinkings! Poxa, que barato, uma viagem no tempo, foi o que eu fiz ao ler teu texto. Bjs

Zé Carlos Gondim

Clemencia Valente disse...

Minha mãe um dia contou a nós esta história com lágrimas nos olhos, lembro-me até hoje disto, ela dizia pra mim filha a Isa (Maria Isa Tavares Jinkings) é uma guerreira. Hoje me pergunto como um "FAMIGERADO COMUNISTA", poderia ter construído uma família tão linda, tão unida, tão companheira, tão cúmplice com os seus, com os amigos, comigo que sempre tive deste meu primo na sua seriedade, a atenção, o carinho, a generosidade, em todos os momentos que pude privar e precisar, ou até mesmo quando saía do colégio e não tinha nada o que fazer ia fuçar na livraria, tomar um cafezinho com o Arthur (Arthur Valente), no escritório, quantas lembranças. Receba meu carinho, minha gratidão, minha admiração pelo grande homem que você foi junto com minha prima, saudades.