quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Feliz Aniversário, Jinkings!


Neste cinco de setembro revolvo alguns documentos de Raimundo Jinkings com a intenção de comemorar seu aniversário de nascimento posto que mais de uma década de sua partida não apagaram as marcas de sua existência entre nós em face de sua exemplar figura de líder coerente e equilibrado diante de destacados episódios da política nacional e paraense como ente de relevo no protagonismo do movimento político de esquerda que abraçou e que lhe credenciou como pródigo pregoeiro no caminho de uma sociedade de Justiça Social e Fraternidade de cujas lutas que foram ainda mais realçadas nos anos de chumbo tanto por seus atos de firmeza e de coragem como pelas palavras que espalhava aos quatro cantos do seu amplo universo militante seja pelos livros que distribuía com preciosos saberes a instrumentar os companheiros de luta seja pelas colunas publicadas na mídia paraense em que falava com segurança e propriedade de opinião aos leitores muitas vezes tolhidos em seus direitos em face da ação do obscurantismo e ávidos de informações e orientação segura como aquelas de inspirado artigo que escrevera em 15 de março de 1985 para O Liberal comemorando o início da Nova República pelo que ela representava de avanço na inauguração de um novo patamar construído através de um pacto social que no seu dizer “se originou do maior movimento de massas de todos os tempos com o povo nas ruas exigindo mudanças e repudiando definitivamente qualquer tentativa de dar continuidade ao mais longo e brutal obscurantista período de nossa história” e que se tornou vitorioso pela luta de mais de 20 anos contra a tirania a despeito dos setores sectários da esquerda que se negavam a somar esforços na condução e construção do novo tempo a empunhar “a equivocada teoria do ‘tudo ou nada’ do nem Maluf nem Tancredo apostando no impasse” e reforçando os objetivos espúrios daqueles que tramavam criar um “clima propício para mais um golpe militar reacionário violento” que ele já antevia ser novamente articulado com a “política de dominação do imperialismo americano” para viabilizar o retorno ao obscurantismo que tantas vidas patrióticas ceifou e que poderia ganhar força como resultado daquilo que Jinkings costumava atribuir à “doença infantil do esquerdismo” de suas leituras leninistas sobre as eras revolucionárias e que ainda hoje faz parte do nosso cotidiano político em que “revolucionários” lulofóbicos reforçam posições dos eternos oposicionistas golpistas e do projeto midiático de poder numa enorme incompreensão do processo de avanço para um novo patamar político com a eleição e reeleição de Lula que guarda coincidente semelhança com a infantil resistência e com as preocupações do camarada Jinkings naquele já longínquo e tancredista ido de 1985 e em outras datas e outras letras em que sua visão e equilíbrio políticos e seu grande amor à causa do Socialismo lhe fizeram sábio e merecedor da nossa admiração e de nossa vontade de sempre lhe homenagear como lhe estamos mais que justamente homenageando neste cinco de setembro.
  (Sidnei Pires)

2 comentários:

anibalvalenca@yahoo.com disse...

Leila,
Agradeço e sinto-me honrado por receber o link do Blog do Camarada Raimundo Jinkins.

Tambvém faço coro com os que rendem TRIBUTO ao GRANDE LUTADOR e INCANSÁVEL
GUERREIRO das LUTAS DEMOCRÁTICAS do PARÁ e do BRASIL
Comunista autêntico, verdadeiro Internacionalista que nunca renegou seu IDEÁRIO político e sempre esteve num só lado: junto com o POVO e no PCB.

Raimundo Jinkins, Cidadão do Mundo - PRESENTE!
Raimundo Jinkins, Internacionalista - PRESENTE!
Raimundo Jinkins, Grande Comunsta - PRESENTE!
ONTEM, HOJE E SEMPRE!

crisblog disse...

Parabéns !

Beijos.